TAP outra vez em "pé de guerra"?

A TAP está, mais uma vez, em "pé de guerra".
Claro, só podia... E quem é que está novamente na "mó de baixo"? Os trabalhadores, claro.
Diz o nosso Povo que "quem está no convento é que sabe o que lá vai dentro" e com razão. Se não, vejamos coisas que se têm notado nos últimos tempos - coisas que têm origem em factos dos quais me permito desconfiar mas que são muito difíceis de provar, obviamente.
Gostaria de perguntar o seguinte:
  • Tem-se falado na ajuda financeira dos 180 milhões de contos - como sendo dinheiro dos contribuintes - para reduzir a zero o passivo da Companhia.
    Será demais lembrar que os trabalhadores da TAP também pagam impostos?
  • Fechou-se a Air Atlantis perdendo o mercado charter que tínhamos (e temos) no Algarve; neste momento operam em Faro companhias estrangeiras com dois e três aviões wide-body por dia.
    Que custos teve fechar a Air Atlantis?
    Que custos tem agora a formação de uma nova companhia charter?
  • A linhas do Canadá, que alegadamente davam um prejuízo enorme, foram fechadas e entregues a terceiros.
    Se os aviões da TAP voavam cheios para Toronto e Montreal "dando prejuízo", como é que quem ficou com essas linhas pôde viver e, ainda por cima, alugar à TAP aviões para fazer esses mesmos voos?
  • Porque é que a política de alianças da TAP só foi iniciada tão tardiamente (a avaliar pela celeridade das outras companhias em se aliar)? Claro que, quando a TAP se juntou ao Grupo Qualiflyer, já havia companhias a sair de outros grupos e a ficar sós...
  • Porque é que houve tanta pressão no sentido de fazer aquilo que pareceu uma desvalorização propositada - contra tudo e contra todos - da TAP com vista à privatização?
    Porque é que o Governo quer tanto vender a TAP a qualquer custo (que é diferente de a vender a todo o custo...)
    Se eu tivesse uma empresa para vender nunca iria querer baixar o preço voluntariamente, não é óbvio?
  • Porque é que a TAP terá de "casar" com a Swissair? Não basta serem apenas "sócias"?
  • Porque é que o sistem de reservas da TAP (que tinha um sistema excelente) foi entregue ao SAirGroup?
    Porque é que foram pagos cinco milhões de contos por esse "lindo serviço" que só tem é tirado passageiros à TAP - desviando-os para a Swissair - alegando que os voos da TAP estão cheios e/ou pondo os voos da TAP "escondidos" no sistema de reservas e em última prioridade?
    Dizem as más-línguas que os suíços andam a rir a "bandeiras despregadas"...
  • Porque é que os aviões da TAP, neste preciso momento (Janeiro de 2000), andam outra vez com uma ocupação "miserável"?
  • Porque é que a política de horários tem sido o descalabro que se tem visto nos últimos meses?
  • Porque é que o Governo se mostra tão déspota no que toca aos destinos da TAP e à sua privatização?
  • Porque é que o Governo, apesar de admitir que tem mais propostas na mesa (talvez até melhores que a da Swissair), não olha para essas outras propostas alegando que não tem tempo para as analisar? Qual é a pressa?
  • Porque é que não são ouvidas as pessoas e entidades que estão por dentro dos assuntos e dos problemas? ("Quem está no convento...")
  • Porque é que o Ministro Jorge Coelho ameaçou veladamente os trabalhadores da TAP com aquilo que faz falta a qualquer Família: os ordenados? Terá sido para dizer "ou estão sossegados e me deixam fazer o que quero ou aperto-vos o cinto"?
  • Porque é que o Eng. António Guterres disse que não iria desmembrar a TAP e agora se fala na divisão da TAP em três empresas distintas?
    Porque é que o Eng. Guterres tanto detesta a TAP?
  • Porque é que trabalhadores da TAP foram obrigados - pelo Governo presidido pelo Eng. Guterres - a trabalhar até 55 horas semanais, numa altura em que só se falava em se baixar as horas semanais de trabalho, falando-se até em 35 horas?
  • Porque é que cada Conselho de Administração tem um programa e objectivos distintos?
    Porque é que não existe um plano para a Empresa que teria de ser seguido pelos C.A.s?
  • Porque é que não é colocada na TAP uma equipa de pessoas que seja realmente especialista en Aviação?

Repito: isto tudo são suspeitas - e ninguém me pode proibir de suspeitar - que não poderei provar (nem poderão as pessoas que têm falado nestes assuntos). Mas, "não há fumo sem fogo" e os boatos - se o são - não surgem por acaso!
Lamentavelmente, parece que os trabalhadores da TAP têm razões de sobra para protestar - pois ninguém ama mais a TAP do que eles! - e que só o tempo é que vai dizer que "afinal eles tinham razão". Só que será tarde demais, então...

J. Munkelt Gonçalves
Editor do "Aeronauta"


Índice do Aeronauta © 2000 JMG, Portugal